sábado, 4 de julho de 2009

1º post do mês

Estou há umas 2 semanas sem internet no meu computador :( já estou a começar a bater mal. Já encomendei um computador novo mas não há meio de chegar. Entretanto vou aproveitando quando o meu irmão ou o meu pai não estão em casa e posso usar os computadores deles.... o que não é a mesma coisa. Quero um computador só meu.
Ao longo desta semana fui recebendo alguns postais, aqui ficam alguns deles.
Um dos últimos envelopes a chegar veio do Chile mas tinha postais da Bolívia e do Peru. Foi o resultado de uma troca com a Veronika "clarividence". Para além dos postais também enviou um pin com 2 bonequinhos com trajes típicos do Peru.


Para começar temos um postal de La Paz, sede do governo da Bolívia. Localiza-se no oeste do país, a 3660 metros de altitude sendo a capital sul americana a maior altitude. A cidade de Nuestra Señora de La Paz (ou simplesmente “La Paz”) foi fundada em 20 de outubro de 1548, pelo capitão espanhol Alonso de Mendoza.

La Paz está entre um vale profundo rodeado por montes e montanhas de grande altitude pertencentes à Cordilheira dos Andes. Na Cordilheira dos Andes (a este da cidade) encontra-se o Illimani (6.465 m), cuja silhueta formou o emblema da cidade desde a sua fundação e que se pode ver no postal coberto de neve.

Na semana em que a Unesco adicionou mais uns quantos locais à sua lista de Património Mundial da Humanidade, recebi novos postais de locais unesco incluindo este da Bolívia, Centro Espiritual e Político da Cultura Tiwanaku.

"Tiwanaku é um importante sítio arqueológico pré-colombiano situado na Bolívia.
Os Tiwanaku formaram uma importante civilização que floresceu nas proximidades do lago Titicaca, sendo por muitos historiadores considerada como precursora dos incas. A cultura de Tiwanaku iniciou-se com uma pequena aldeia aproximadamente no ano 1500 a.C., crescendo e constituindo-se considerável centro urbano entre os anos 300 e 500, daí espargindo sua influência e se tornando um poder regional no sul dos Andes até o ano de 900, quando iniciou sua decadência. Há evidências de que a cidade foi abandonada. Daí em diante desapareceu o estilo artístico que a caracterizava. No ano 1200 a cidade foi abandona devido a secas e escazes de comida, seu império teria desmoronado e seus habitantes teriam abandonado...

A cidade cobriu uma extensão máxima de 6 km's quadrados e teve no apogeu estimados quarenta mil habitantes. Seu estilo de cerâmica sem igual é encontrado numa vasta área que cobre a moderna Bolívia, Peru, o norte do Chile e a Argentina. No entanto, é difícil dizer se a presença desta cerâmica atesta o poder político desta civilização sobre esta área ou somente atesta sua influência cultural ou talvez apenas meramente comercial.
Tratava-se de uma cultura precursora das grandes construções monumentais da América do Sul que, embora e admiravelmente se utilizasse de grandes de pedras pesando até cem toneladas, as cortavam e requadravam e depois as entalhavam e esculpiam (ou revestiam) para encaixá-las umas às outras com uma precisão e engenhosidade raramente encontradas mesmo na construção monumental inca posterior.

O sítio arqueológico de Tiwanaku encontra-se num estado lastimável de conservação, já tendo sofrido ao saque de escavadores amadores à cata de preciosidades desde a queda da cidade. Esta destruição continuou no século XIX e início do século XX com acções como a redução das pedras monumentais em britas para a construção de ferrovia e o seu uso como alvo de tiro em exercício militar. Hoje o sítio de Tiwanaku é considerado como Património da Humanidade pela UNESCO, administrado pelo governo boliviano. "- in: wikipédia


"Chavin de Huantar é um sítio arqueológico que cobre 15 hectares. Era o eixo de coesão da cultura Chavín, no departamento de Ancash, serra norte do Peru. O principal motivo do progresso de Chavín de Huántar foi que se converteu na agricultura mais moderna e produtiva e inovadora de sua época e dentro dessa agricultura, o milho, conhecido no idioma quíchua como sara ou ara, e a espiga de milho, conhecida como huansa, ocuparam o lugar principal, juntamente com seus derivados. A decadência de Chavín de Huántar parece estar mais relacionada com o estancamento do desenvolvimento que eventual intervenção militar de outras culturas, ou seja, ocorreu um esgotamento como cultura, sendo superada por outras mais recentes, que a sobrepujaram, como aconteceu no outro lado do Atlântico, com os Etruscos, que foi sobreposta pela Império Romano.
As investigações no sítio foram iniciadas em 1919 por Julio César Tello Rojas, embora Chavin de Huantar já fosse conhecida anteriormente.As ruínas foram declaradas Património Mundial da Unesco em 1985." - in:
wikipédia

1 comentário:

Jusseli Maria Rocha disse...

Amiga Martinha, visitando teus postais do Peru, encontrei estes da Bolívia.Visitei Tiwanaku e La Paz,neste verão e fiz as postagens no blog. Aparece por lá. Abraços.