quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Unescos da Itália

Passo a passa a coleccção unesco vai aumentando. Graças ao Luca "diaboluke", consegui estes 3 novos unesco da Itália: Villa Romana del Casale; Centro Histórico da Cidade de Pienza e Ilhas Eólias.

"A Villa Romana del Casale é uma villa tardo-romana cujos restos estão situados nos arredores de Piazza Armerina, na Sicília. Faz parte, desde 1997, do Património Mundial da humanidade da UNESCO. É famosa, sobretudo, devido à excepcional colecção de mosaicos que alberga, perfeitamente conservados ao longo do tempo graças a uma capa de barro resultante duma inundação antiga.

A descoberta da villa deve-se a Gino Vinicio Gentili, que em 1950 empreendeu a exploração, seguindo as indicações dos habitantes do lugar. Baseando-se, principalmente, nos estilos dos mosaicos, o descobridor considerou que o primeiro momento da implantação da sumptuosa habitação – uma espécie de palácio rural – não seria anterior a meados do século IV. Posteriormente, o mesmo estudioso, atribuiu a villa à era tetrarca (285-305)." - in: wikipédia


Foi nesta cidade da Toscana que se aplicaram pela 1ª vez os conceitos urbanísticos do Renascimento em 1459, quando o Papa Pío II decidiu transformar a sua cidade natal e confiar a execução desta tarefa a Bernardo Rossellino. Pondo em práctica os princípios do seu mestre, o arquitecto Leon Battista Alberti, construiu a Praça de Pio II, onde se encontram os palácios dos Piccolomini e dos Borgia, assim como a catedral.

Lipari é uma das 8 das Ilhas Eólias que compõem um arquipélago ao norte da Sicília.
Este local é rico em fenómenos vulcânicos, assim é um exceplo excepcional do papel desempenhado pelos vulcões no surgimento e destruição de ilhas. Estudadas por sábios e científicos desde o século XVIII, as Ilhas Eólicas permitiram à vulcanologia descrever dois tipos de erupção (o vulcaniano e estromboliano) e ocupam um lugar de destaque na formação dos geólogos nos últimos 200 anos. Hoje em dia, continuam a oferecer um campo de estudo aos especialistas em vulcanologia.

Sem comentários: